NOTÍCIAS

Congresso Mariológico reflete sobre o rosto mariano da Igreja

16/05/2018
Da Redação | Canção Nova
Foto: Divulgação
Postado por: Gabriela Buranelli
 
 
 
“O rosto mariano da Igreja” é o tema da 12ª edição do Congresso Mariológico, que começa nesta quarta-feira, 16, em Aparecida (SP). O vice-presidente da CNBB, Dom Murilo Krieger, que fará a abertura do evento, destaca a importância dos estudos sobre Maria como uma forma de respeitar a vontade de Deus sobre ela e dar a ela o lugar que Deus deseja. 
 
“Nós queremos, ao estudar Maria, fazer somente uma coisa, respeitar a vontade de Deus sobre ela e dar a ela não o lugar que a Igreja, ou um Papa, ou um santo deseja, mas que Deus deseja. Quem introduziu Maria na vida de Cristo e da Igreja foi o Pai, que a escolheu, que a preparou e que a formou. A Igreja apenas respeita o que o Pai fez e faz: dar a Maria um lugar único”, declarou Dom Murilo, arcebispo de Salvador (BA).
 
Além da abertura, Dom Murilo fará duas palestras no encontro: “Maria, primeira leiga cristã na palavra de Deus” e “Maria na tradição cristã”. O evento, que segue até sábado, 19, e é promovido pela Academia Marial de Aparecida e a Faculdade Dehoniana de Taubaté, reunirá estudiosos da Mariologia, teólogos, religiosos e leigos no Centro de Eventos Padre Vitor Coelho de Almeida, no Santuário Nacional. 
 
Com o tema “O rosto mariano da Igreja”, o congresso pretende sublinhar a presença de Maria na vida de Cristo e da Igreja, à luz de textos bíblicos e de autoria de sacerdotes e teólogos dos primeiros tempos da Igreja. “Maria não foi estudada porque achavam interessante conhecê-la, foi estudada porque vimos sua presença sempre na vida de Jesus e na vida da Igreja”, completou o arcebispo.
 
“Na vida de Cristo, foi ela que deu seu sim e o verbo se fez carne. Ela o gerou, o educou e o acompanhou até a morte de cruz. Quanto à presença de Maria na vida da Igreja, em Pentecostes, quando os apóstolos receberem o Espírito Santo e entenderam qual a mensagem de Jesus, e qual a missão que eles deveriam executar, quem estava presente no cenáculo de Jerusalém? Maria”, relatou o vice-presidente da CNBB.
 
Além do conhecimento acerca do rosto de Maria na vida de Cristo e da Igreja, Dom Murilo atribui ao congresso uma oportunidade de reafirmar, no Ano do Laicato, Maria como modelo para os religiosos e religiosas, pessoas consagradas e como leiga. “Ela nos mostra, e isso acho que é o grande ensinamento, que a vida dela tinha um foco, fazer a vontade de Deus, ou seja, Deus era o foco da sua vida e tudo girava em torno disto”, observou.
 
Segundo o arcebispo, diante dos vários pedidos de Deus, Maria foi sempre generosa e colocou-se a serviço: “Eis a serva do Senhor”, recordou. Para Dom Murilo, esta