LITURGIA DIÁRIA

EVANGELHO (MT 5,1-12A)

05/11/2018

EVANGELHO 
(MT 5,1-12A)

Naquele tempo, 1vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e sentou-se. Os discípulos aproximaram-se, 2e Jesus começou a ensiná-los:

3“Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o Reino dos Céus.

4Bem-aventurados os aflitos, porque serão consolados.

5Bem-aventurados os mansos, porque possuirão a terra.

6Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados.

7Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia.

8Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus.

9Bem-aventurados os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus.

10Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus.

11Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem, e, mentindo, disserem todo tipo de mal contra vós, por causa de mim. 12aAlegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos céus”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

 

Catequese Bíblico-Missionária

 

“Sede santos como o vosso Pai celeste é santo” (Mt 5,48)

 

Ao nos fazer esse convite, que soa como um verdadeiro mandato, Jesus nos coloca frente ao único e absoluto sentido para a vida humana: a santidade. Esta é a vontade de Deus quando criou a pessoa humana: “Façamos o homem à nossa imagem e semelhança” (Gn 1,26). Ao descrever a beleza e a harmonia de tudo o que brota das mãos criadoras de Deus, o autor sagrado inspiradamente descreve não um passado perdido, mas o futuro, isto é, aquilo que Deus deseja e sonha para a pessoa humana e para toda a Criação.

Noutra passagem do Antigo Testamento, Deus reafirma sua vontade sobre a pessoa humana: “Sede santos, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo” (Lv 19,2). Por isso, o apóstolo Paulo conclui acertadamente: “Esta é a vontade de Deus: a vossa santificação (1Ts 4,3). E santidade é isso: cada dia e todos os dias nos tornamos sempre mais imagem e semelhança de Deus. Então, não resta dúvida alguma. Ser santo é o único e absoluto sentido da vida humana e devemos fazer deste objetivo o centro de todas as nossas atenções e esforços. E a festa de Todos os Santos vem nos lembrar disso: somos todos chamados à santidade.

Conforta-nos e nos enche de alegria e coragem a visão do apóstolo João, relatada na Primeira Leitura deste dia: “Eis que vi uma grande multidão, que ninguém podia contar, de todas as nações, tribos, povos e línguas. Estavam de pé diante do Cordeiro, trajados com vestes brancas e com palmas na mão”. Santos não são somente os “canonizados”, isto é, aqueles que a Igreja oficialmente reconheceu como tal, aprovando seu culto e veneração. Além destes, alegra-nos saber que uma imensa multidão, que ninguém poderá contar, vive a realidade definitiva na glória do Céu.

No meio dessa multidão poderemos, certamente, ver pessoas queridas de nossas famílias e Comunidades, que foram fiéis no testemunho de sua fé, perseverantes na prática do bem, solidários no sofrimento do próximo, misericordiosos no amor e fraternos no serviço aos irmãos.

Vivendo assim, podemos ter a certeza de nos juntar um dia àquela multidão celeste para cantar a glória e a santidade de Deus: “Amém. O louvor, a glória, a sabedoria, a ação de graças, a honra, o poder e a força pertencem ao nosso Deus pelos séculos dos séculos. Amém” (Ap 7,12).